segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Vídeo de divulgação do Espetáculo, magistralmente dirigido por Bruno Estrela e Sílvia Mello.


video
Cena interpretada pelas maravilhosas atrizes Verônica Moreno, Cassia Gentile, Léo Thilé e Eliane Silvestre

sábado, 17 de dezembro de 2011

NOITE ILUMINADA




Como já era de se esperar, 15 de dezembro , dia da Inauguração do Teatro Gê Martú, foi iluminado.
Marcado com a presença de muitos amigos, fãs e admiradores, a apresentação de História de Algum Lugar foi esplendorosa e emocionante.



Além da casa lotada, pudemos contar com a sempre parceira Márcia Wictzak, gravando entrevistas para o Globo Comunidade sobre o nosso querido Gê Martú, que vai ao ar nesse domingo, dia 18 de dezembro, às 06:30h. Mas, depois fica no G1.


Fechamos 2011 com chave de ouro, e em 2012 o nosso Gê estará de volta para nos ajudar a contar a nossa História.
Faremos temporada em Goiânia, Belo Horizonte, Rio de janeiro e São Paulo.
Muito obrigada a todos os meus atores maravilhosos e amigos dedicados. Toda a Equipe técnica. Sem vocês a nossa História não teria chegado a lugar nenhum.
Obrigada ao público que sempre nos recebeu com muito carinho.
Obrigada ao ano de 2011 que  se despede e abençoado seja 2012.







                        GÊ, ESSA APRESENTAÇÃO FOI  DEDICADA A VOCÊ.
VOLTA LOGO, PORQUE ESSA ESTAÇÃO SEM O "SEU" SEU CHICO, NÃO EXISTE.
                                                          
                                                           AMAMOS VOCÊ, 
                                                         GRANDE MESTRE
                                                          GRANDE AMIGO
                                                        GRANDE PARCEIRO

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

INAUGURAÇÃO DO TEATRO GÊ MARTÚ





O nosso Gê Martú  está internado, 


mas passa bem. 


E faz questão que todos os preparativos para a Inauguração


do Teatro que tem o seu nome, 


aconteçam como o programado


Ele gravará uma mensagem que será passada no dia. 


Quanto a apresentação de História de Algum Lugar


também será realizada, 


só que o Gilson Cezzar fará o seu personagem . 

O nosso querido Gê, 



quer que nada deixe de acontecer. 


E em homenagem a esse homem maravilhoso e 


artista incomparável. Faremos a sua vontade.






Compareçam e prestigiem esse cara que é o cara.












HISTÓRIA DE ALGUM LUGAR


(Inauguração do Teatro Gê Martú)

TEATRO GÊ MARTÚ




Local:ESCOLA PARQUE 210 NORTE - BRASÍLIA/DF 




Dia: 15 DE DEZEMBRO(QUINTA-FEIRA)

20 HORAS

INGRESSO: 01 QUILO DE ALIMENTO NÃO PERECÍVEL


Texto e Direção: Áurea Liz

Elenco: Gê Martú, Gilson Cezzar,Gelly Saigg,
Verônica Moreno,



Pedro Barbosa, Adilson Mottor,Heleno Antunes, Eliane Silvestre,


Ana Bugni,Léo Thilé, Pedro Domingues, Genice Barego, Marizilda Dias, 


Bruno Estrela,Isumy Kudo, Cássia Gentile, Márcia Marmori,


Fernando Bressan, Dú Oliveira e Yeda Gabriel


Release:

História de algum lugar se passa numa cidade do interior de Minas Gerais. 



Num universo de fofocas interioranas e pequenos dramas do cotidiano, 


todos os habitantes preparam-se para assistir na estação de trem à despedida 


da mãe e da filha de Baiô, ambas loucas. 


Antes divididos, carolas e quengas, mendigos e comerciantes 


unem-se ao final num mesmo sentimento de compaixão.










Realização:

Auge Produções Artísticas

Arsenal Produtora


Informações: 39017524




Aguardamos todos dia 15 de dezembro às 20h, na Escola Parque da 210 norte.


sábado, 26 de novembro de 2011

RECONTAR...HISTÓRIA DE ALGUM LUGAR...AGRADECIMENTOS






De 11 a  20 de novembro, a nossa História foi recontada no Espaço Cultural Renato Russo/ Sala Marco Antônio (508 Sul/Brasília-DF).
Fizemos a nossa segunda temporada de HISTÓRIA DE ALGUM LUGAR.
Muito bom passar por tudo isso de novo.
Muito obrigada ao meu elenco maravilhoso 
Gê Martú
Gelly Saigg 
Verônica Moreno, 
Pedro Barbosa, 
Adilson Mottor,
Heleno Antunes, 
Eliane Silvestre,
Ana Bugni,
Léo Thilé,
Pedro Domingues, 
Genice Barego, 
Marizilda Dias, 
Bruno Estrela, 
Isumy Kudo, 
Cássia Gentile, 
Márcia Marmori,
Fernando Bressan,
Dú Oliveira 
e Yeda Gabriel
por vocês acreditarem que, recontar uma história faz a gente reviver emoções , reinventar caminhos  e encantar outras pessoas ou as mesmas, de forma diferente. Muitíssimo grata ao 

Gilson Cézzar, 
Reinaldo Vieira, 
Luciana Albertin,
Letícia Mendonça 
e Viviane Piccinin, 

por vocês terem acreditado na nossa História. Mas, por força de outros versos, foram encantar outros lugares.
Minha admiração profunda por todos vocês.

Obrigada ao meu querido  talentoso Victorugo, pela sua delicadeza e sensibilidade com a nossa sonoplastia.

Obrigada ao meu ex-aluno e sempre amigo e parceiro Victor Luiz (AUDIOVIC). Você iluminou nossas histórias e nossas vidas.

Obrigada ao meu filho Vitor Barbosa(Turtles Mídia) pela arte  e pelas grandes observações...
Obrigada a minha filha Moara  Ribeiro pelas fotos, pela divulgação e pelas grandes observações...
Obrigada ao meu filho Pedro Barbosa, por ser meu ator e pelas grandes observações...
E obrigada aos três pela "árdua" tarefa de me ter como mãe e como diretora, ao mesmo tempo.
Amo os três.

Obrigada ao Valdeci Moreira (Espaço Semente), amigo de todas as horas e de todos os momentos. Muito obrigada, meu irmão!

Ciza Cordeiro, minha irmã (e da Yeda Gabriel). Muito obrigada pela mega força. Você foi o Anjo que chegou em nossas vidas.

E a multifuncional Sílvia Mello, sem palavras pra você. Parceirona sempre. Obrigada por tudo, tudo, tudo. Só isso que eu posso dizer. Em 2012, estamos juntas.

Obrigada a todos que de uma forma direta ou indireta fez com que a nossa História chegasse em algum lugar

nosso MUITO OBRIGADO! ao público que nos prestigiou. Com a presença de vocês a nossa História chegará em muitos lugares. 


E para fecharmos com chave de ouro:


DIA 15 DE DEZEMBRO às 20h
FAREMOS A INAUGURAÇÃO DO TEATRO GÊ MARTÚ
(Escola Parque 210/211 norte - Brasília/DF)
Ingresso: 01 quilo de alimento não perecível


ESPERAMOS VOCÊS!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

NOVOS ENCANTADORES DA NOSSA HISTÓRIA

Márcia Marmori será D. Maria Biú, substituindo Letícia Mendonça (que atualmente mora no Rio de Janeiro)





Marizilda Dias será D. Bernarda, no lugar de Luciana Albertin (também morando no Rio de Janeiro)


                           

                                         Isumy Kudo viverá Margô, no lugar de Viviane Piccinin




                                    Heleno Antunes viverá Seu Juvenal no lugar de Reinaldo Vieira


            Bruno Estrela será Toco, no lugar de Gilson Cézzar (que está no elenco de "Dia de Visita")



MUITO OBRIGADA AOS NOSSOS ANTIGOS ENCANTADORES: GILSON CÉZZAR, LETÍCIA MENDONÇA, REINALDO VIEIRA, VIVIANE PICCININ E LUCIANA ALBERTIN, VOCÊS FORAM FUNDAMENTAIS PARA QUE A NOSSA HISTÓRIA CHEGASSE EM ALGUM LUGAR. 
AMO VOCÊS POR TUDO QUE VOCÊS CONSTRUÍRAM E NO AJUDARAM A CONQUISTAR.
NOSSAS PORTAS ESTARÃO SEMPRE ABERTAS. 
E A NOSSA AMIZADE SEMPRE DISPONÍVEL.
MUITO OBRIGADA, MEUS ETERNOS ENCANTADORES.




AOS NOVOS ENCANTADORES, SEJAM MUITO BEM-VINDOS.
TENHO CERTEZA QUE VOCÊS, COM TALENTO E SENSIBILIDADE, FARÃO A NOSSA HISTÓRIA CHEGAR EM TODOS OS LUGARES.
OBRIGADA POR CONFIAR NA NOSSA HISTÓRIA E FAZER PARTE DELA.




SEGUNDA TEMPORADA DE 

HISTÓRIA DE ALGUM LUGAR

Texto e Direção: Áurea Liz


Com: Gê Martú, Gelly Saigg (Prêmio de Melhor Atriz - Mostra Candanga de 



Teatro do Sesc 2011), Verônica Moreno, Heleno Antunes, Márcia Marmori,


 Léo Thilé, Pedro Barbosa, Pedro Domingues, Ana Bugni, Fernando Bressan, 


Dú Oliveira, Yeda Gabriel, Marizilda Dias, Cássia Gentile, Ysumi Kudo, 


Adilson Mottor, Genice Barego, Bruno Estrela e Eliane Silvestre


de 11 a 20 de novembro 


SEXTAS E SÁBADOS : 20 h E DOMINGOS: 19 h


ESPAÇO CULTURAL RENATO RUSSO


SALA MARCO ANTÔNIO


R$ 15,00 (MEIA ENTRADA)
Levando um quilo de alimento paga meia

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Dia 11 de novembro HISTÓRIA DE ALGUM LUGAR ... estará de volta


                                                              SEGUNDA TEMPORADA
                                      HISTÓRIA DE ALGUM LUGAR

                                                    Do dia 11 ao dia 20 de novembro de 2011
                                                                (sextas, sábados e domingos)
                                                   ESPAÇO CULTURAL RENATO RUSSO
                                                                        Sala Marco Antônio 


                                                                      
                                                                     R$15,00 (meia entrada)
                                                       Levando um quilo de alimento paga meia

domingo, 26 de junho de 2011

NOSSOS ENCANTADORES E AS SUAS HISTÓRIAS (PARTE I)

                      MINHA HISTÓRIA COM A HISTÓRIA
                                                                                                Por Eliane Silvestre 

        Não é à toa que “nossa história” iniciou entre as linhas de texto de um dos maiores escritores que o Brasil já viu, Guimarães Rosa, e as linhas da imaginação desta obreira dionisíaca de tantas mangas arregaçadas na labuta da produção teatral de Brasília.
Quando, numa manhã, tarde, noite ou madrugada da vida, Áurea Liz sacou papel e caneta imaginários e passou a escrever uma história sem dono e ao mesmo tempo com tantos donos, naquele momento, importante para ela como dramaturga e para a arte como um todo, estava também um marco na minha história de vida. Recomeço. Que importa onde a história ocorreu!  A cidade não tem nome e nem precisa ter. Uma cidade não habitada e sim que nos habita e ganha novos nomes a cada nova morada. Cidade que está dentro de cada um de nós quer sejam a autora, a produção, os técnicos, os que sentaram pra assistir, os atores felizardos que com suas próprias histórias de vida abraçaram mais esta.
As coisas na minha vida são meio mágicas mesmo. Eu desejo e acontece. Há 3 anos, quando a minha tia-mãe querida foi embora, eu fui num templo. Lá, encontrei esta diretora que tinha perdido um ente querido também. Nós conversamos rapidamente. Eu fiquei morrendo de vontade de falar para ela que queria voltar a fazer teatro e se ela tivesse algum personagem para mim que me chamasse, mas não tive coragem.
Dois anos depois, quando recebi e-mail do nosso querido Gê Martu, divulgando um teste para a História de Algum Lugar (com texto e direção dela), em algum lugar do meu corpo surgiu a coragem. Uma coragem tímida, que se escondeu novamente em algum lugar. A coragem voltou à tona no final do prazo de inscrição, fim de domingo. Minha última experiência no palco havia sido há 10 anos. Nestes 10 anos, encenei apenas em aula na UNB e em eventos. Lembrei de época que tinha coragem de subir ao palco  sozinha para encenar monólogo. Mas na verdade não estava faltando coragem só para voltar ao palco. Estava faltando também coragem para viver. Eu estava numa época filosófica, questionando tudo e não vendo sentido em nada. Eu havia passado por 3 perdas: finalização de um ciclo profissional, morte de pessoa amada e separação. Esta perda tríplice manchava minha alegria habitual inicialmente de pequenas gotas e depois foi tomando conta e escurecendo meus dias. Lembrei então da beleza que é fazer teatro trazida pela boca sábia do amigo e diretor Humberto Pedrancini. Nunca tinha visto alguém descrever tão lindamente o que é fazer teatro, como o Humberto certa vez numa oficina. Entendi que estava ali uma oportunidade certa para um recomeço no teatro e de vida mesmo. “Quem sabe renasço” - pensei. E renasci pelas mãos desta história que, bem simbolizando a vida, traz em si drama, comédia e poesia. Não poderia ter sido trazida de volta à vida de melhor forma.
Fiz, então minha inscrição e vencido o primeiro passo, o segundo seria procurar um texto. Não menos angustiante a dúvida. Eu estava atordoada entre 3 opções. Na minha cabeça veio o Humberto novamente. Liguei. Não escolheu pra mim. Com sua habitual franqueza direta, ele disse para eu “cessar logo esta dúvida, escolher logo um e acreditar naquele”. Assim fiz e foi o melhor mesmo. Eu estava perdendo tanta energia na escolha em vez de estar direcionando esta energia à construção da personagem que me daria a mão para juntas enfrentarmos o desafio do teste que não era um teste comum. Se eu passasse, seria uma junção valiosa: volta ao palco e incentivo importante para volta à vida. Escolhi. A personagem era de Nelson Rodrigues, Geni, em Toda Nudez Será Castigada. Eu havia feito um trabalho com esta obra na disciplina do Prof. Marcus Mota, na UNB, onde traçava um estudo comparativo de  3 linguagens diferentes: teatro, literatura e cinema. Amei fazer o trabalho. Era uma boa escolha.


No dia marcado, eu lá estava, nervosa, mas acreditando. Além da personagem preparada, fazia parte do teste também criar um personagem a partir de características psicológicas e físicas traçadas pela produção. Nem cheguei a olhar para os jurados, eu estava muito concentrada. O texto que inventei ficou engraçado. Sei que jurados precisam passar imparcialidade, procurando não reagir e riram bastante com o personagem criado no improviso. Pela primeira vez, eu não achei que tinha ido mal. Desconfiava que tinha encenado bem. Sai satisfeita. Não porque gostei demais da transição que fiz  de prostituta Geni para uma senhorinha autoritária, mercenária e controladora. Ainda que tivesse encenado mal por nervosismo e independentemente do resultado, gostei mesmo foi de ter vencido minha insegurança. Eu já era vencedora.
Os dias seguintes foram torturantes de espera. Checava e-mail, nada. Checava o blog da peça, nada. Em 23/08/10, o primeiro sinal de fumaça no blog,  dizia que a produção já havia selecionado os 10 atores. “ Ai meu Deus! Estarei entre eles?” – pensei. Depois de alguns dias, divulgaram a primeira selecionada. “Felizarda!” - pensei. Permaneci na angústia por mais uns dias. Não sei bem quantas vezes ao dia eu chequei o blog. Foram tantas e tantas consultas, que quando divulgaram a segunda selecionada, pensei que era miragem. Uma mensagem bonita de boas vindas para mim. “Pra mim???????????? Eu???????? Não acredito!” - pensei. Era eu mesma. Existem um montão de Elianes Silvestres pelo mundo afora (vide Facebook). Mas nenhuma homônima havia feito o teste.
A covardia, a insegurança, a dúvida, a angústia da espera, tudo isto foi dando lugar à alegria, ao estudo, a debates de ideias, a novos e lindos amigos, a dias de ensaio com um elenco unido, à construção laboriosa da personagem, não livre de insegurança, mas uma insegurança prazerosa porque vinha com a certeza de que desembocaria em realização pessoal.
Mas o início foi delicado. Da tão esperada primeira reunião do elenco, saí um pouco temerosa. A personagem reservada para mim, por estar louca, me faria entrar em contato com um estado de desequilíbrio emocional que eu não me via forte no momento para entrar. Sai de lá preocupada. A diretora, como pessoa de sensibilidade, percebeu. Em seguida, uma atriz não pode permanecer, em virtude de outros compromissos. Vagou, então, outro personagem e a diretora me ligou, sugerindo. Eu adorei. Seria a delegada. A personagem era o contrário de mim. Nunca consegui dar ordens. A figura de uma autoridade, funcionária não só na cidade imaginária do espetáculo, mas também nos meus dias. Eu estava precisando disciplinar minha vida. Falar  grosso comigo mesma. “Vamos embora, Eliane , que a vida segue seu rumo!” Eu sabia também que a personagem suscitaria risos, já que a todo momento era chamada pelos demais de “esquisita”. Eu poderia brincar. E era o que eu estava precisando no momento. Reencontrar a Eliane alegre e passar alegria para o público.
Também passamos lirismo. Também fizemos chorar. Tecemos juntos o tapete onde se via a vida da uma cidadezinha do interior de Minas. Tapete bem tecido. Que o diga meu pai que, questionado por mim se realmente gostou, disse: “Gostei tanto que achei que passou rápido demais”. E foi assistir pela segunda vez porque se sentia na cidadezinha, disse ele. É quando o teatro acontece. Esta viagem da realidade que estamos inseridos para a fantasia, nos tirando de um dia muitas vezes sobrecarregado e nos jogando em outro espaço e tempo. É a realização de toda a equipe que trabalhou nesta mágica. Nada em meu fazer teatral me deu tanta alegria e marcou tanto, nem mesmo os prêmios recebidos por um espetáculo que participei, como uma discussão gerada na plateia, quando fiz uma cega,  se eu seria cega mesmo ou não.  

Voltemos a “nossa história”. Um elenco grande. Tudo era grande. Ah, como era grande! (rsrsrs) Grandes atores, grandes seres humanos que se tornaram grandes amigos. Como Deus foi bom comigo. De uma leva só trazer de volta o teatro e mais 20 amigos da melhor qualidade. Eu ia citar agora uma foto com uma gargalhada minha, no ensaio, mas bem neste ponto, quando escrevi “amigos da melhor qualidade” chegaram as lágrimas. Que venham porque significam sentimento verdadeiro. Mas que venha também a lembrança desta foto da gargalhada porque simboliza o prazer que foi participar deste trabalho e conviver com uma direção amorosa e competente e um elenco/produção/técnica de primeira em todos os sentidos. A gargalhada também simboliza meu prazer com a brincadeira do público comigo depois do espetáculo chamando-me de “esquisita”. Ou seja, este meu testemunho do que foi participar deste trabalho terminou em lágrimas, risadas e reflexão, do mesmo jeitinho que saem as pessoas quando assistem “História de Algum Lugar”. Coisa boa.

                                    ELIANE SILVESTRE deu alma à Delegada  
                                                  de História de algum lugar

quarta-feira, 8 de junho de 2011

UM ESPETÁCULO QUE SACUDIU A MINHA ALMA

Sou aficionada por teatro que emociona. Que causa surpresa, admiração, alegria, tristeza... Que me arranca lágrimas, risos. Que me abre a boca. Que me traz espanto, até mesmo horror, repulsa ou medo. Por que não? Quanto à raiva, essa emoção eu dispenso. Ainda mais pagando ingresso... Já pensou? Sinceramente, dispenso. Sair de um teatro com raiva me faz resmungar e praguejar por um bom tempo. Incontrolavelmente, uma ranzinzice feroz toma conta de mim quando falo do tal espetáculo nas rodas de conversas, escangalhando o meu charme, minha feminilidade. Quanto prejuízo por causa de uma peça ruim, aff!!
Esclareço que não sou nenhuma especialista em teatro, muito menos uma intelectual devoradora de livros, ou mais uma hipócrita que não assume que se acaba de rir com humor comum bem interpretado, até mesmo com uma pitada de mal gosto... Nada disso. Bobagens ditas por um excelente performer podem valer o ingresso para mim. Divertem, provocam gargalhadas e isso, por si só, faz bem à minha saúde. Assumo!
Mas existem os espetáculos que marcam pela preciosidade... Estes permanecem na lembrança, transformam, enriquecem! E preciosidade, na minha concepção, vai além de aspectos bons isolados. Muito menos significa perfeição técnica, rebuscamento, performances e coreografias mirabolantes, figurino, cenário e maquiagem impecáveis, com surpresas a todo minuto... Tanta perfeição e riqueza reunidas correm sério risco de, por fim, cansar o público... É mais ou menos como aquelas pessoas que tentam parecer, a todo instante, lindas, inteligentes e boas, sabe? Chato! Preciosidade mesmo, genuína, envolve harmonia, profundidade e simplicidade. E essa preciosidade é a marca registrada de “História de Algum Lugar”. Um espetáculo que sacudiu a minha alma e as de muitos e muitos outros espectadores. Não tenho dúvidas quanto a isso.
Acompanhei à distância a história da “História” porque, a princípio, me interessei em participar e até me inscrevi para a audição. O espetáculo já se mostrava especial desde aquele momento, pois a chamada era aberta também a atores não-profissionais. Gente com pouca experiência em teatro, mas disposta a revelar seu potencial, sua emoção, sua expressão artística ou, até mesmo, a sua cara-de-pau (estirpe da qual eu faço parte). Fiquei excitadíssima com aquela oportunidade. No entanto, para a minha decepção, o dia do teste coincidiu com um compromisso inadiável. Infelizmente não pude nem concorrer a uma “vaga” na “História”. Paciência... Mas pelo capricho do blog, pela temática e pela audição aberta a principiantes, eu já estava ansiosa para assisti-la!
Após pouquíssimos meses a “História” entrou em cartaz num espaço novo da cidade. Já fui gostando da sala, não muito pequena, não muito grande, confortável, bonita e agradável. Cenário exposto. Inteligente e caprichadamente modesto. E a peça iniciou, mostrando a rotina peculiar de uma cidade interiorana. Cenas de um cotidiano vivido por beatas, donas de casa, prostitutas, homens simples, um vagabundo, crianças livres que brincam na rua, que vivem... Todos, em maior ou menor grau, interessadíssimos na vida alheia, como não poderia deixar de ser. Até aí, tudo muito previsível. Dei algumas risadas e senti, muitas vezes, estranhamento aos trejeitos exagerados e aos sotaques carregados. Tudo muito ameno. Tranqüilo, por assim dizer. Ao mesmo tempo, pitadas de pura poesia surgiam em meio ao mexerico, na ingenuidade e beleza dos diálogos e brincadeiras entre o menino e o vagabundo.
Reconheci naquela “trupe” artistas veteranos da cidade. Outros, mais jovens, igualmente brilhantes e, como eu já sabia, havia ali pelo menos uma principiante: uma ex-companheira de oficina de iniciação teatral. A bela e jovem atriz estava “possuída” por uma dona de casa desconfiada, mal-humorada e sovina. Incrível! Me diverti com as suas cenas! Performance de profissional, nossa! E assim fui notando um por um dos atores. Impressionantemente, todos bons, muito bem dirigidos.
Mas aquela amenidade foi acabando aos poucos. Naquela rotina banal foi se desenhando um monstro que, num crescente, incomodava muito. Portanto, sem perceber, eu fui parar ali, no meio da “História”. O interesse daquelas pessoas era em como uma idosa e uma menina, avó e neta, ambas enlouquecidas, se portariam ao chegar à estação e partir daquele lugar. Em como o humilde filho e pai estaria se sentindo naquele momento de separação, como se daria aquela despedida. Como seria a vida deles depois daquele episódio. Levantavam hipóteses, imaginavam a cena, lamentavam a sina desprovida de sorte do sujeito, fingiam indiferença. E a razão deste quadro, que ia se desvendando na trama, era ainda mais terrível. Uma desgraça completa.
Fui me encolhendo na poltrona, me reconhecendo em cada personagem. Me encontrei na inveja, na amargura, no despeito, na tristeza, na injustiça, no arrependimento, na brutalização, na fragilidade, na hipocrisia, na comiseração, na indignação, no amor que resiste ao tempo e à dor, na saudade, no desgosto, na solidão, na vergonha, na resignação. E minhas lágrimas vieram junto com as das enlouquecidas, da prostituta, do vagabundo embevecido de amor, dor e saudade, do homem simples e sofrido, tendo que se despedir das duas únicas pessoas que tinha na vida - dois espectros, inválidos e susceptíveis. Por fim, chorei com a beata que perde a razão frente à constatação do resultado da sua desgraça particular, que se alastrou pelas vidas alheias como uma peste.
E assim, o espetáculo mostrou-se grandiosos em seu conjunto. Pela riqueza e profundidade do texto (em um tempo em que os teatros encontram-se abarrotados de superficialidade, muitas vezes, financiadas por dinheiro público), pelas belas atuações, criatividade e simplicidade do cenário e figurinos (sem esbanjamento de recursos) e a maestria na condução da história, remetendo o público a esse turbilhão de emoções após um início singelo. O elenco era harmonioso, coeso, redondo, único. Uma energia só atravessava aqueles atores e isso foi o que me trouxe mais fascínio! Profissionais e iniciantes em total sintonia, certamente resultado de um trabalho árduo e minucioso daquela diretora e dramaturga, que, até aquele momento, era alguém que eu só conhecia de nome, mas que ganhou ali, de cara, toda a minha admiração e respeito.
E assim, “História de Algum Lugar” ficará para sempre na minha lembrança de espetáculos preciosos. E toda vez que falo dela (e volta e meia falo), sei que meu rosto ganha leveza e formosura. Minha voz torna-se doce, meu corpo se enche de movimentos entusiasmados e minhas palavras ensaiam até um quê de poesia. Impressionante como a beleza pode se multiplicar por causa de uma peça preciosa!!
Obrigada Áurea Liz e toda equipe! Muitíssimo obrigada por me proporcionarem tanto encantamento, por tanto tempo!


                                                            
                                                            Eni Braga
                                                                   Bióloga e Atriz

quarta-feira, 30 de março de 2011

EM ALGUM LUGAR DO PRESENTE


Em alguma cidade do interior de Minas Gerais, em algum tempo indeterminado, alguns seres humanos preparam-se para a despedida de duas mulheres, mãe e filha, supostamente loucas, ou lamentavelmente enlouquecidas, ou consequentemente ensandecidas. Os tais outros seres humanos que a cercam naquele ambiente dirão de quem se trata, do que aconteceu, do que poderá acontecer, ou do que eles querem que aconteça. São pequenos comerciantes, mendigos chaplinianos, dignas-prostitutas-de-vida-difícil, indignas donas-de-casa-fofoqueiras, mocinhas que sonham casar, crianças que não pensam em crescer... personagens que estão em todos os lugares: porque existem seres humanos de uma ponta a outra neste mundão de Deus, feitos à Sua dessemelhança.
Essa é a paisagem humana que apresenta a peça “História de algum lugar”, escrita (muito bem escrita) e dirigida (seguramente bem dirigida) por Áurea Liz.  A ambientação do texto em algum sertão de Guimarães Rosa poderia creditar-se na aridez de um Graciliano Ramos, como poderia urbanizar-se nos conflitos de um Machado de Assis. O grande personagem da peça é o ser humano, no que ele tem de belo e medíocre, no que ele manifesta de bondoso e covarde, no que ele sustenta de esperança e fracasso. Mas Áurea colocou seus personagens em Minas, e de sua aldeia falará da humanidade.
Quando começou a peça, incomodou-me esses personagens caricaturados, nos gestos comezinhos, no figurino fingido, no sotaque forçado. Mas aos poucos o desconforto se desfez pelas soluções cênicas, pela exposição interior dos tais seres humanos, pela grandiosidade da situação que se apresentava no palco. Grandiosidade e simplicidade, dois sentimentos que somente os talentosos têm capacidade de demonstrar num mesmo fôlego. A peça me pegou e me levou para aquela estação. E eis que no momento certo acontece uma virada espetacular: o recurso de flash back em cena aberta. É o ponto máximo da narrativa. A dramaturgia teatral vai de encontro a um efeito cinematográfico, e nos encanta. Por momentos o maravilhoso espaço panorâmico do palco teatral torna-se um enquadramento próprio de cinema, sem desmerecer um, nem se sobrepondo a outro: mas unindo-se numa mesma maneira de contar a história de algum lugar, de todos os lugares e pessoas.
O teatro tem essa magia: ele sempre foi tridimensional. Desde o espaço aberto do anfiteatro de Epidauro, na Grécia antiga, o teatro sempre esteve latente a um palmo de nossos olhos, e irresistivelmente colocado ao coração. É um santuário. A peça de Áurea Liz vem nessa comunhão, dissecando-nos, mas jogando luz sobre a platéia.

                                                         Nirton Venancio